Páginas

domingo, 18 de janeiro de 2009

A VALOR DA AMIZADE


Marco Túlio Cícero foi o mais importante senador de Roma. Fervoroso defensor dos valores republicanos, era considerado uma das inteligências mais brilhantes de sua época, destacando-se na advocacia, oratória, política e filosofia. Testemunhou tempos conturbados. Enfrentou tiranos, corruptos e traidores da pior espécie. Não conhecia medo ou covardia. Viveu apaixonadamente e lutou até o fim pelo que acreditava. Enfrentou vários exílios e morreu assassinado por seus adversários políticos aos 63 anos de idade.

Em 44 a.C, Cícero, suspendeu por uns dias sua intensa atividade parlamentar para refletir sobre um dos sentimentos mais verdadeiros do ser humano: a amizade. Ele queria responder a duas perguntas: Pode-se realmente viver a vida sem ter a felicidade de encontrar num amigo os mesmos sentimentos? Que haverá de mais doce que poder falar a alguém como falarias a ti mesmo?

No pequeno tratado intitulado “Da amizade”, Cícero exalta a alegria de ter um amigo. Mesmo diante da diversidade de temperamentos, o amigo é a projeção mais fiel de nós mesmos. Contemplá-los é o mesmo que ver nossa própria imagem refletida no espelho. São os irmãos que escolhemos na estrada da vida. Assim como nós, eles jamais serão perfeitos. Mas devemos aceitá-los e amá-los com todos os seus erros, fraquezas e virtudes.

A amizade deve ser apimentada com alguns ingredientes: constância, lealdade e estabilidade. Cícero nos legou sábios conselhos para preservar e fortalecer os laços de amizade:

1º - só pedir aos amigos coisas honestas;

2º - nada pedir de vergonhoso e nada de vergonhoso conceder;

3º - fazer coisas dignas para apoiá-los sem esperar que eles nos peçam ajuda;

4º - mostrar sincero interesse pelas coisas que são importantes para eles;

5º - não hesitar jamais em ajudá-los nas adversidades, sejam quais forem as circunstâncias;

6º - ousar dar francamente a opinião sobre suas condutas e escolhas, mesmo que isso os desagrade ou aborreça.

Nesses tempos de relacionamentos superficiais, enfraquecidos por uma sociedade que privilegia muito mais o ter do que o ser, ler Cícero é uma forma de mergulhar na essência das coisas verdadeiras e extrair lições que tornarão nossa vida muito mais feliz. A receita é essa: em 2009 vamos cuidar bem dos amigos!

6 comentários:

BLOG DO MARIO FORTES disse...

Belo texto! Para nós leitores, um deleite e aprendizado.

Anônimo disse...

O professor Yuri Brandão fez, no blog de Português e Sociopolítica dele, no portal Tudo na Hora, excelente referência ao senhor, professor George.

E publicou seu texto sobre o os taturanas.

Show de bola!!!

Parabéns!

Adriano Cunha.

Isaac Sandes disse...

Companheiro George.

Coincidentemente, por ocasião dos 60 anos do amigo Malta, o presenteei com a obra do imortal Cícero, "Saber Envelhecer/Da Amizade",volume único.
Já a tinha lido, faz algum tempo, e, identifico na mesma, uma boa leitura para afastar um pouco da aridez dos escritos jurídicos.
Creio que se todo estudioso e escritor do Direito permeasse sua obra com incursões na filosofia, história e sociologia, esta se tornaria mais palatável e afastaria o ranço que, na maioria das obras jurícias, tornam a visão do direito um tanto quanto estreita e estéril.
Seguramente, este não é o caso de sua obra sobre improbidade, a qual conta com referências e exemplos históricos bastante interessantes.

Diego Fonseca disse...

Professor, George, muito bom o texto! Que possamos cultivar nossa amizade orientados pelos conselhos de Cícero. Um forte abraço, Diego Fonseca

Nelson Braga disse...

O dom da escrita não é divino. É o resultado da clareza da alma de quem escreve. Clareza esta conquistada através da leitura, da percepção e da compreenção do universo que nos rodeia. Não me basta apenas lê-lo, faz-me falta ouvi-lo. Principalmente nas nossas despretenciosas prosas jogadas ao léu. Nos devemos estes encontros! Um grande abraço pelo seu aniversário, do primo!!!

Tony Admond disse...

Dr. George, passando por um momento de INSTABILIDADE com uma amizade, veio em bom tempo a leitura de " O VALOR DA AMIZADE" ... Parabéns pelo texto !