Páginas

domingo, 22 de março de 2009

ROTEIRO SENTIMENTAL DA CIDADE DE PENEDO

GEORGE SARMENTO

Da varanda do hotel contemplo a placidez do Velho Chico. O vento quente, seco, voraz, afogueia o espírito e atiça a fome. Um bando de garças corta o verde-esmeralda, enquanto os barcos preguiçosamente singram as águas cálidas e silenciosas. Contemplo a bela paisagem através das torres da Igreja Nossa Senhora das Correntes, construída no século XVIII por uma família simpatizante da causa abolicionista, e que hoje é uma jóia do barroco colonial.

Que rio democrático, o São Francisco! Acolhe a todos sem distinção – a imponente balsa da Empresa Fluvial Tupan que faz a travessia para Neópolis, em Sergipe; os barcos coloridos, que levam os passageiros para cidades ribeirinhas em troca de uns poucos reais; as prosaicas canoas de pesca, típicas da região, conduzidas por orgulhosos e destemidos remadores. Suas margens generosas abrigam delicadamente os casais apaixonados que se beijam sob o sol a pino, bêbados que fazem discursos inflamados contra inimigos imaginários, comerciantes anônimos que, aos gritos, tentam atrair os poucos clientes que se aventuram a sair de casa naquela hora do dia.

Em meus devaneios, fico imaginando a chegada de Duarte Coelho, em 1522, para fundar uma povoação que lhe assegurasse os domínios de sua capitania hereditária contra os corsários franceses que infestavam a região em busca do precioso pau-brasil. Olho para frente e chego ao ano de 1637. Vejo os holandeses invadirem a vila, derrubarem as resistências militares e construírem um inexpugnável forte no alto do rochedo, de onde se tinha uma vista inebriante. Conta-se que Maurício de Nassau morou ali por algum tempo só voltando para Olinda em razão do impaludismo que lhe minava a saúde. Ainda hoje, arqueólogos de diversas universidades brasileiras tentam encontrar as fundações do famoso forte, provavelmente fincadas abaixo dos prédios públicos e casarões aristocráticos que circundam a prefeitura da cidade.

A procura do legado holandês me faz lembrar um episódio familiar, narrado por parentes idosos, que mexeu muito com minha imaginação infantil. Na década de 30, meu avô paterno era um rico fazendeiro lá para as bandas de União dos Palmares. Um belo dia, uns gringos chegaram em suas terras com mapas, aparelhos de prospecção e uma conversa bonita. Disseram-lhe que holandeses em fuga haviam enterrado um baú contendo milhares de florins de ouro. Se os cálculos estivessem certos, o tesouro seria encontrado e ele ficaria com a metade da fortuna. Dinheiro suficiente para cinco gerações viverem confortavelmente. Desviaram o curso do rio e iniciaram as escavações. Os jornais deram grande destaque ao inusitado acontecimento. Os coronéis da região passavam os dias acompanhando os trabalhos na esperança de testemunhar a grande descoberta. Meu avô, por sua vez, embriagado com a repentina notoriedade, começou a gastar por conta. Contraiu empréstimos bancários, contratou os melhores alfaiates, reformou a casa-grande.

Numa madrugada chuvosa, a barragem cedeu e o rio retomou seu curso. Foi nessa fatídica noite que ele ficou sabendo que os gringos desapareceram sem deixar rastros, a não ser suas sementes no ventre de duas cablocas do engenho. Completamente falido e alvo de comentários jocosos, mergulhou em profunda depressão, da qual jamais se recuperou. Resultado: fiquei privado para sempre das preciosas moedas de ouro que passariam para mim como quinhão hereditário. Até hoje fico a me perguntar se os florins foram encontrados pelos espertalhões ou se tudo não passou de uma aventura malograda de exploradores inexperientes.

O fim de tarde se aproxima. Como é lindo o pôr do sol e o reflexo dos seus raios tingindo as águas do rio de tons avermelhados! Estou em Penedo na condição de padrinho da primeira turma de bacharéis em Direito da Fundação Raimundo Marinho. Fui um dos responsáveis pela autorização do curso e pela implantação do escritório de prática jurídica, que presta assistência gratuita à população carente. Isso me valeu o convite e o honroso título honorífico. A cerimônia acontece no Teatro 7 de setembro, projetado pelo arquiteto Luiz Lucariny e construído em 1884. O teatro não é grande. Mas é aconchegante, charmoso e está em bom estado de conservação. Perfeito para uma noite de gala.

Penedo é uma cidade de muitos encantos. Os monumentos devem ser visitados sem pressa. Vale a pena conhecer o oratório da forca, construído em 1769 para abrigar os condenados na última noite de suas vidas. Ali o escravo fujão, o ladrão de gado ou o homicida ficavam em oração à espera do enforcamento, repetindo desconhecidas palavras em latim extraídas do breviário de um jesuíta piedoso . Pediam perdão pelos pecados não cometidos, pela vida miserável que levaram, pela liberdade que lhes foi negada, pela viúva e filhos que ficariam desamparados.

Em frente fica a Casa da Aposentadoria, um suntuoso prédio construído por José de Mendonça Matos Moreira, em 1781, para abrigar os ouvidores-gerais em visita à cidade. No andar térreo funcionou uma cadeia onde os réus ficavam apinhados à espera de julgamento. O Ouvidor Mendonça é um ancestral longínquo sem o apetite sexual do qual eu não estaria escrevendo essa crônica. Além de ocupar o mais alto cargo da magistratura em Alagoas - representava a justiça real -, foi autor do principal inventário sobre as matas da província, texto que, ainda hoje, é referência para pesquisadores de todo o mundo.

Entre tantas coisas boas de se ver em Penedo está o Convento dos Franciscanos e a Igreja Nossa Senhora dos Anjos, construídos no mais puro estilo barroco e rococó. 2009 é um ano especial para a Ordem, que comemora 350 anos de presença na cidade. A exposição de cartazes descreve a trajetória dos frades na evangelização dos fiéis, na formação de sacerdotes e na pregação dos ensinamentos de Francisco de Assis. Passear pelos corredores do convento é voltar no tempo e penetrar nos mistérios da vida monástica dedicada à contemplação e à caridade. As paredes já acolheram as vítimas da cólera de 1854 e os desabrigados da grande enchente de 1919. Já foram escola e até prisão. Até mesmo o Imperador D. Pedro II assistiu a Te-Deum celebrado em sua homenagem.

A gastronomia é outra grande atração de Penedo. Quando a fome bate, nada melhor do que correr para o Bar do Jorjão para comer uma boa pituzada ao coco. O proprietário nos recebe com um sorriso franco e nos oferece o que há de melhor em sua casa. Coloca uma mesa na calçada, de frente para a Igreja Nossa Senhora dos Rosários dos Negros, e nos serve um verdadeiro banquete. Também há outros restaurantes interessantes como a Rocheira, cujo plat de résistance é o jacaré ensopado, ou o Forte Maurício de Nassau, que oferece uma esplêndida vista do Rio São Francisco e um cardápio de excelente qualidade.

Se você chega a Penedo com o espírito contemplativo, com o desejo de conhecer a essência do seu povo e a força de sua história, não vai se arrepender. É o lugar ideal para alegrar a alma, dar vazão aos sonhos e aproveitar o melhor da vida. O negócio é se deixar levar pelo encanto das ruas, pelo misticismo das igrejas, pela imponência dos casarões coloniais. Pouco a pouco a cidade abrirá os braços e mostrará a você os seus segredos mais íntimos.

11 comentários:

Isaac Sandes disse...

George.

Bela narrativa esta sobre Penedo. Acredito que das cidades históricas do nosso Estado, esta é a mais interessante.
A riqueza de seu patrimônio cultural chega a superar a própria Marechal Deodoro.
Quanto aos encantos do São Francisco, eu mais que ningúem, pois nascido à suas margens, um pouco mais acima de seu curso, vivi toda minha infância usufruindo de suas delícias.

J. Carlos Castro disse...

George, você descreveu com extrema maestria a aura nostálgica que percorre as ruas da bela Penedo, na qual tenho o prazer e a satisfação de viver meu cotidiano profissional.
Espero que sua narrativa estimule os seguidores de seu blog a fazer um tour por nossa cidade com mais história.
É incrível, mas muitos alagoanos ainda não a conhecem.
Isaac, acho que Marechal Deodoro está muito aquém da riqueza cultural de Penedo, sem falar na notória preservação do patrimônio arquitetônico.
Um abraço,
J.Carlos Castro

Humberto disse...

George,

Muito rica e emocionante a sua narrativa. Penedo, para mim, tem um valor sentimental indescritível. Durante algum tempo, inclusive, cogitei fixar residência e passar por lá o resto dos meus dias. Talvez ainda faça isso, mais adiante...
Um grande abraço.
Humberto

GEORGE SARMENTO disse...

Isaac,José Carlos e Humberto!

Um dos maiores prazeres de minha vida é viajar. No Brasil, as cidades barrocas sempre exerceram inexplicável fascínio sobre mim. Em Alagoas nós temos grandes tesouros da arquitetura colonial. Penedo e Marechal Deodoro são as mais importantes. Mas há verdadeiros tesouros em Água Branca, Passo de Camaragibe, Piranhas e Maceió. Como vocês sabem tenho origem mineira. Penedo está no mesmo nível de Tiradentes e Ouro Preto em termos de patrimônio histórico. É preciso que nossas autoridades acreditem no potencial da cidade e promover eventos que atraiam turistas e intelectuais. Tenho certeza de que, com simples iniciativas, teremos um dos maiores polos turísticos e culturais do Brasil.
Forte abraço
George

Jomery Nery disse...

George,

Não te conheço pessoalmente mas sempre adimirei seu trabalho. Sua explendida crônica me impressionou e me fez estar espiritualmente em Penedo.
Tenho raizes familiares por lá e em alguns momentos cheguei a passar por tão bela cidade, mas nunca a vi com tanta delicadeza e solenidade.
Obrigado por me fazer abrir os olhos para esta nova cidade.

P.S.: Seu blog é fantástico

GEORGE SARMENTO disse...

Obrigado Jamery,

Será um grande prazer tê-lo na minha lista de amigos. Suas raízes penedenses podem ser um grande estímulo para lutar pela cultura e preservação dessa terra maravilhosa, orgulho de todos os alagoanos.
Forte abraço!
George

Anônimo disse...

Vendo este site, senti um desejo de procurar minha origem pois, meu pai nasceu em penedo filho de virginia amália sandes, cujo tenho o mesmo nome em memória dela, não conheço ninguem da família paterna sei que meu pai nasdceu aí.Peço ajuda caso consiga algo o nome dele era Antonio Astero de Moura, não tenho outras informações pois ele veio para o rio e casou-se aqui.

Anônimo disse...

esqueçi de colocar email para contato ninaetotao@hotmail.com

Leônidas disse...

É bom ver que ñ estamos sozinhos na embriaguez da fascinante Penedo.
Te ver falar de Penedo,de seus casarios e sua ruas estreitas me deixa orgulhoso de viver e querer aqui repousar eternamente.Moro aqui há 32 anos e cada dia é como um novo desperta em uma cidade cheia de Histórias loucas para serem descobertas e ouvidas por seus curiosos.Como é bom descobri Penedo, como é bom ver vc descortinando Penedo para o MUNDO,como é bom dzr Amigo por todos que amam e conheci PENEDO muito , muito abrigado!!!

Anônimo disse...

ISAAC-UMA AMIGA ME MADOU ESTE BLOG DE PENEDO.TENHO MUITOS ANCESTRAIS QUE VIVERAM EM PENEDO.
MINHA BISAVÓ ERA=ANTONIA VIEIRA DE SANDES CC JOSÉ ALVES BEZERRA.VICERAM EM MATA GRANDE E A ANTONIA ERA PRIMA IRMÃ DA BARONESA DE AGUA BRANCA.
MEU TIO AVÔ==GONÇALO MARTINS LISBÔA CC ANNA VIEIRA,TEVE 8 FILHOS ,QUE SE MISTURARAM AI COM AS FAMILIAS==RAMALHO--TAVARES---MARQUES==PEIXOTO,ETC

MARIANA RIBEIRO disse...

Excelente!!!
É exatamente tudo que sinto quando chego à cidade de Penedo!
Parabéns pela narrativa!!!